sábado, 29 de novembro de 2008

Teologia da Prosperidade e calamidades

A Teologia da Prosperidade está tomando rumos aviltantes, sem que ao menos seus pregadores desconfiem de que algo esteja errado com ela.

Fui a um culto em nossa igreja esta semana em que a "pregação", de aproximadamente quarenta minutos, ressaltou a Teologia da Prosperidade do começo ao fim - claro que o pregador não utilizou esta nomenclatura. Não se falou em graça, cruz, renúncia, arrependimento, perdão e outros valores tão preciosos do cristianismo. Nem mesmo se falou em Cristo, falou-se de Deus como uma entidade à serviço do homem para satisfazer-lhe os caprichos. O pregador lançou mão da insatisfação humana (só satisfeita em Deus) para trocá-la por bens materiais nomináveis. Até este ponto a história coincide com o que os leitores já sabem, pois já ouviram este tipo de mensagem.

O problema deste episódio reside no fato de que esta pregação, paradoxalmente, aconteceu ao mesmo tempo em que muitos irmãos estavam com suas casas inundadas, perderam a maioria ou todos os seus móveis, carros, bens de valor emocional, familiares, casa e alguns até mesmo o terreno onde a casa estava em cima, ou seja, literal e figuradamente ficaram sem chão.

Como explicar a estes flagelados que a Teologia da Prosperidade não dá certo nestas circunstâncias? Que tipo de conforto ela traz para aqueles que esta teologia desceu ladeira abaixo enterrando-se na lama suja? Esta catástrofe não é um grande alerta de que esta teologia serve ao deus dinheiro e não ao Deus verdadeiro? Até quando nossos púlpitos serão tomados por esta teologia que distrai o povo daquilo que o Deus verdadeiro está dizendo?

Jesus mesmo admitiu que no caração humano pode haver um deus disputando em pé de igualdade com Deus, Ele o chamou de Mamon (dinheiro, riquezas). Se Jesus estava certo, e provavelmente estava (exceto para a Teologia da Prosperidade), então um novo deus está orientando nossos pregadores: está ungindo-os com seu poder de compra, inspirando-os com seu conforto, fazendo arder seus corações com sua segurança e enriquecendo-os com ofertas e a venda de CD's, DVD's e ainda, o pregador acima mencionado, ofereceu até um CD pirata com livros. Eles são criativos e ousados e legitimam suas mensagens com profecias e revelações convincentes, assim estão tentando "enganar até os escolhidos" (Mt 24.24).

O triste desta situação é que estão convencidos de que falam em nome do Deus verdadeiro e conseguem convencer a muitos. Será que já não fomos cobertos e afogados pela avalanche da prosperidade a tal ponto de estar soterrados e sem forças para reagir? Já percebemos que Teologia da Prosperidade rima com calamidade?

Somente um resgate vindo do céu poderá nos tirar deste vale em que estamos ilhados!

Para enriquecer a compreensão recomendo comparar os dois vídeos abaixo:

http://br.youtube.com/watch?v=PhXFz89BOmw

http://br.youtube.com/watch?v=0AiwafSyNk8&feature=related

5 comentários:

Rodrigo de Aquino disse...

Pensei nisso também após assistir cenas chocantes na TV: onde está a Teologia da Prosperidade?

boa reflexão!
paz

Vitor Hugo da Silva - Joinville, SC disse...

Claiton!

Infelizmente, nossos cultos estão repletos de mensagens "timidamente" triunfalistas. Principalmente em nossos cultos de quinta feira. O que mais me deixa preocupado, não é o fato destas mensagens serem pregadas, mas o fato do povo acetá-las como dogmas. Ou seja, algo doutrinário e funcionou em suas vidas.

Já não aguento mais ouvir palavras como: "RESTITUI-ME, EU QUERO DE VOLTA O QUE É MEU!".

Sabe Claiton, o que percebo também. É que para combater estes ensinamentos, é necessário mensagens simples. Explicando que a razão de nossa vida é Cristo. Ele é tudo! Simples, tão simples que o povo de Deus tem esquecido!

Vitor Hugo

Claiton Pommerening disse...

Certamente o problema do povo aceitar este tipo de mensagem está em nós, os líderes e pastores, pois parece-me que temos falhado em ensinar a Palavra e mostrar quem Cristo é.
Claiton

Mario disse...

O capitalismo prega o sucesso e as nossas pregações reforçam essa busca.

Filmes como "À procura da felicidade" emocionam e perpetuam o sonho americano e a sentença de Jesus continua atualíssima:

"Onde está vosso seu tesouro aí estará também vosso coração!"

Nino disse...

A ética protestante e o espírito do capitalismo de Max Webber é uma bom livro para entendermos o sentido sociológico da teologia da prosperidade.